InícioMestres ensinamMuitos exemplos

Muitos exemplos

- Advertisement -spot_img

Nelson Mandela

Não é fácil mudar de posição. Nem no mundo corporativo, nem no mundo político, nem no mundo pessoal. Rever uma decisão tomada exige coragem, uma vez que muitos poderão cobrar coerência, ou traição dos antigos ideais. Uns confundem coerência ao apego. Alguém já disse que só os idiotas não mudam, e a vida está cheia deles, são os famosos regradores. Outro lembrou que sem mudança o mundo sempre seria o mesmo, talvez ainda estaríamos vivendo em uma civilização hidráulica no Nilo, Eufrates ou Amarelo. Contudo mudar de opinião ou de posição exige coragem, força de vontade e convicção. Imagine o pai ou a mãe recebendo em casa o namorado da filha, ou do filho, o mesmo que recebeu duras críticas sobre seu comportamento. Ou o diretor reconhecendo publicamente que é preciso mudar o foco dos negócios depois de defender uma estratégia totalmente diferente. Um dos riscos dessas mudanças é perder apoio dos que se apegam ao passado. Abandoná-lo é mais difícil do que aderir a uma nova ideia. Os aderentes estão em todos os lugares e flutuam ao sabor do vento ou das pesquisas de intenção de voto.

Há inúmeros exemplos na história de mudanças e os resultados foram para melhor. Nelson Mandela, por exemplo, trocou a luta armada contra o apartheid pela luta política e conquistou o poder. Mudou o foco de seus liderados, ao invés de revidar os anos de opressão, propôs que construíssem juntos um novo país. A Europa, berço e foco de um nacionalismo extremado, o que ajudou a incendiar o continente com duas grandes guerras no Século 20, e milhões de mortos, optou por construir um estado multinacional. O nascimento da União Europeia é um exemplo de sucesso ainda que haja dificuldade. Mesmo assim mais e mais nações querem fazer parte, mais recentemente a Ucrânia.

Fazer auto crítica e adotar novas posições não é sintoma de fraqueza ou falta de convicção, é pensar e agir estrategicamente. Outro exemplo é a China. Em pouco tempo deixou de rotular os Estados Unidos como o “tigre de papel” e se tornou seu maior aliado comercial. Abandonou o velho comunismo de guerra, esqueceu os “saltos para frente” e se tornou a segunda economia capitalista do mundo. Só a miopia social, o fundamentalismo, a ignorância são capazes de impedir as mudanças, sejam elas estruturais, conjunturais ou comportamentais como a de permitir que a mulheres iranianas decidam se devem ou não andar cobertas por um véu. Ou de uma nigeriana de trocar de religião por convicção, ser presa, condenada a morte e por pouco não ser executada. Mudar ou não é uma atitude pessoal, intransferível, portanto a responsabilidade da decisão também é pessoal.

Por Heródoto Barbeiro

Perfil de Heródoto Barbeiro

Heródoto Barbeiro

Heródoto Barbeiro é jornalista, âncora do Jornal da Record News e do R7, diariamente as 21h. Ex-apresentador do Roda Vida da TV Cultura e do Jornal da CBN. Autor de vários livros na área de treinamento, história, jornalismo e budismo.

- Advertisement -spot_img
- Advertisement -spot_img
Siga-nos
17,706FãsCurtir
4,420SeguidoresSeguir
2,532SeguidoresSeguir
Mais vistas
- Advertisement -spot_img
Novidades
- Advertisement -spot_img

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui