Como produzimos nosso livro-reportagem durante o TCC de jornalismo

2
72
(Foto: Pixabay)
(Foto: Pixabay)

Quando se chega no último ano do curso de graduação em jornalismo, os estudantes são obrigados a apresentar um Trabalho de Conclusão de Curso (TCC). Esse é um item obrigatório para obtenção do tão desejado diploma de jornalismo. Mas é nesse momento em que as dúvidas nos assombram: O que fazer? Qual tema escolher?

No nosso caso, na faculdade onde nos formamos, a regra era que os estudantes de jornalismo produzissem livros-reportagens como TCC. Portanto o formato já estava previamente definido. Não tivemos problemas para escolher o tema, pois já o tínhamos em mente, mas para garantir que ele não havia sido abordado anteriormente, fizemos uma pesquisa prévia, afinal, todo cuidado é necessário. Um conselho que damos aos que ainda não escolheram o tema para o TCC é o de procurar algo que tenha importância jornalística e social, ao mesmo tempo que tenha muito a ser falar e investigar, e sobretudo que seja um tema com o qual você se identifique. Afinal, ele estará presente no seu dia a dia nos próximos meses.

Tínhamos decidido falar sobre a vida depois das grades de ex-presidiários. Nossa escolha chamou a atenção de muitas pessoas. Sentimos a desaprovação e preconceito de colegas na faculdade e em nosso meio social. Presos ou ex-presos com certeza são um tabu que a sociedade se esforça para evitar. Mas o chamado para ser a voz daqueles que não têm, ouvir o outro lado da história, investigar e informar a sociedade sobre um tema tão pouco conhecido, foi o que nos motivou e nos fez não ligarmos para a opinião de quem desaprovava o tema. Além disso, levamos em conta que, apesar de ser um tema pouco conhecido, havia informação suficiente para o desenvolvimento de um livro-reportagem.

Nosso objetivo era falar com todos os lados da história, para obedecer um dos pilares mais importantes do jornalismo. Fomos atrás de ex-presos que estavam em busca de um emprego, lugares que ajudavam nessa busca e empresas que empregavam essas pessoas. Além disso, conversamos com quem realmente entendia do assunto, com psicólogos, sociólogos e advogados. E também lemos muito sobre o tema em sites e livros.

Capa do livro-reportagem produzido pelos focas Lucas Carvalho e Rebecca Vettore. (Foto: Divulgação)

Produzir o nosso livro não foi nada fácil. Foi preciso, além de muita organização, diversas conversas para a divisão de tarefas. Afinal, éramos duas pessoas diferentes que deveriam escrever um único livro. Outro desafio, se não o mais difícil, foi encontrar e depois conseguir falar com os personagens principais do nosso livro. Foi preciso vencer barreiras de preconceito, criar confiança com eles, ter empatia, cortar julgamentos e ouvi-los.

A realização de todo esse trabalho durou oito meses, tempo esse que passou incrivelmente rápido. E fizemos o possível para deixar o livro bem completo. Foram muitas pesquisas, dezenas de entrevistas, longas e difíceis decupagens, textos refeitos milhares de vezes, revisões sem fim até os olhos doerem, entregas de etapas de capítulos sempre nos prazos certos, noites mal dormidas, buscas por fontes, recebemos “nãos” de fontes. Foi preciso muita insistência, investigação e solas de sapatos para encontrar o resultado ideal para o nosso projeto.

Apesar de todas as dificuldades, concluímos o nosso TCC e, alguns meses depois, o publicamos em um livro intitulado “Depois das Grades”. Escrever essa obra foi, com certeza, uma das melhores experiências que nós tivemos na nossa formação como jornalistas. Nosso intuito era o de divulgar esse tema, pouquíssimo tratado, mas muito importante, pois trata da vida de pessoas que fazem parte do nosso dia a dia. Elas estão lá, mesmo invisíveis, procurando novas oportunidades no mercado formal, ou tentando a sorte no mercado informal. Perdidos sem saber por qual caminho seguir, por falta de informação ou de apoio, ou estão voltando para o caminho que as levaram para a prisão. Queremos que o nosso livro chegue à todos, para que as pessoas possam compreender e formar suas próprias conclusões sobre o assunto.

Concluindo: É trabalhoso fazer um TCC, independentemente do tipo que você escolha, quer seja documentário, programa de rádio, ou um livro-reportagem. Mas se você fizer com vontade, dedicação, amor, será recompensador. Quando você estiver apresentando ele para uma bancada de professores traga com você a vontade de mudar uma pequena parte do mundo com o seu trabalho, mesmo que essa pequena parte seja você mesmo.

Ficou curioso para ler o resultado do nosso TCC? Conheça mais sobre o nosso livro “Depois das Grades” através da nossa página no Facebook.

Por Lucas Carvalho e Rebecca Vettore.

Perfil dos Autores

Lucas Carvalho nasceu em São Paulo, escolheu fazer jornalismo pelo amor à escrita e pela chance de aprender a cada dia informações novas e histórias interessantes. Já trabalhou nas redações da revista e portal Imprensa e na Editora Abril, e no site Olhar Digital. Apaixonado por jornalismo cultural, escreve sobre cultura pop, quadrinhos, filmes e games, além, é claro, de tecnologia.

Rebecca Vettore também nasceu em São Paulo e, desde criança, já sabia que seria jornalista. O desejo de conhecer e ouvir pessoas novas, culturas e realidades diferentes é o que move a sua carreira. Já atuou nas redações da Rede Internacional de Televisão (RIT) e na Rede Bandeirantes. Mantém seu próprio blog, contando histórias de igualdade social e o lado bom do ser humano e dá dicas de leituras de livros em seu canal do YouTube.

2 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui