InícioNotíciasOs Desafios da Reportagem no Telejornalismo

Os Desafios da Reportagem no Telejornalismo

- Advertisement -spot_img
Ser jornalista é um privilégio, pois nós temos acesso à história como ela é, afirmou a jornalista Simone Queroz. Foto: Emílio Coutinho
Ser jornalista é um privilégio, pois nós temos acesso à história como ela é, afirmou a jornalista Simone Queiroz. Foto: Emílio Coutinho

No último sábado, 18 de outubro de 2014, a jornalista e repórter do SBT, Simone Queiroz, ministrou o curso “Bastidores da TV – Os desafios da reportagem”, promovido pela Comunik All, onde ensinou técnicas de telejornalismo e contou algumas histórias que vivenciou ao longo de sua carreira.

A presidente e a repórter

Logo no início de sua apresentação, como não poderia deixar de ser, Simone Queiroz comentou a recente entrevista que fez com a presidente Dilma Rousseff após o debate no SBT, durante a qual a governante diz ter passado mal. “Alguém treina para isso? Nem eu que tenho 24 anos de experiência pensei um dia que iria me ver em uma situação em que a presidente da república dissesse: ‘Eu estou passando mal’”, explicou.

Após mostrar o vídeo do fato, aproveitou para ressaltar a responsabilidade que os jornalistas devem ter por tudo o que falam e fazem. “Nós jornalistas devemos ser responsáveis pelo que falamos. Vocês devem ter isso sempre em mente.”

O jornalista iniciante

Em seguida, contou um pouco sobre a escolha de ser jornalista. Segundo ela, quase nunca os pais sugerem ao filho ser jornalista e “como nós contrariamos as expectativas dos nossos pais, a primeira coisa que temos que pensar é em ser muito bons naquilo que fazemos. Eu não me arrependo nem um pouco da minha decisão de ser jornalista”.

Simone Queiroz aconselhou os estudantes presentes a experimentarem as diversas plataformas midiáticas, pois esse conhecimento pode revelar afinidades desconhecidas. “Eu passei a faculdade inteira dizendo que só ia trabalhar em jornal impresso e queria ser repórter de polícia. Nunca pensei em trabalhar em TV, mas a vida vai te encaminhando para outras coisas.”

Outra dica dada aos jornalistas iniciantes foi a de estar sempre muito bem informados. “Cada dia nós cobrimos uma pauta diferente e isso exige que estejamos ligados no mundo o tempo inteiro. Você tem que ter referência de tudo. Referência significa ter informação.”

Apesar de ser a função aparentemente mais empolgante do jornalismo, o repórter não trabalha sozinho e por isso deve respeitar todas as etapas a serem cumpridas para que uma matéria vá ao ar. Em televisão, particularmente, essa dependência de outros profissionais é muito grande.

Perguntar é uma obrigação do jornalista

Segundo a jornalista, o repórter não pode ter vergonha de perguntar nada para ninguém, “porque qualquer informação se converte um dia num dado de uma matéria, numa sugestão de uma pauta. Estejam ligados o tempo inteiro, conversem com todo mundo”.

“Perguntar não ofende. Pergunte mesmo! As pessoas que tem que se sentir preocupadas com o que vão responder. Mas perguntar é obrigação nossa. O repórter que aceita simplesmente o pacote que vem do outro lado, não cumpre a sua função com o que se espera dele.”

A jornalista advertiu que a nossa matéria pode ser “a única fonte de informação que uma pessoa vai ter. Então você tem que dar a sua melhor informação, a mais correta, a melhor apurada, bem escrita e principalmente verdadeira. É inadmissível um repórter que mente, que trai esse respeito ao público por um motivo qualquer, ou de interesse dele ou de interesse da emissora”.

Além disso, deve-se ter uma atenção redobrada com o que o que a nossa fonte diz. “Muitas vezes o entrevistado não se dá conta da importância de uma informação que ele está te passando.”

Outro ponto levantado pela repórter do SBT foi sobre o entrevistado perfeito: “Os entrevistados podem ser ótimos, mas alguns não ficam ótimos na hora de falar, e nós devemos lidar com essa adversidade. Muitos sabem muito; muitos não sabem nada, mas acham que sabem muito; muitos não sabem se expressar. Precisamos tirar do entrevistado a melhor fala possível, não podemos nos dar por satisfeitos.”

O privilégio de ser jornalista

Na opinião de Simone Queiroz, “ser jornalista é um privilégio, independentemente da sua função dentro da redação”. Isso porque o jornalista “tem acesso à história como ela é, sem intermediários”. Além disso, o profissional da comunicação “tem o poder de denunciar o que está errado, a capacidade de exaltar o que está certo, de defender as pessoas que estão sendo vítimas de uma injustiça e também o privilégio de conhecer de perto pessoas que nós gostamos”.

Enumerando algumas personalidades que já entrevistou, entre elas Nelson Mandela e Paul McCartney, a jornalista disse que também esteve com pessoas da pior espécie, “mas isso também ajuda a tentar estabelecer diferenças e conceitos de vida”.

Na segunda parte do curso, os alunos praticaram um exercício de como saber se uma informação rende uma pauta e como transformá-la em notícia para um telejornal. Para conhecer outros cursos da Comunik All, clique aqui.

Por Emílio Portugal Coutinho

- Advertisement -spot_img
Emílio Coutinho
O jornalista e professor Emílio Coutinho criou a Casa dos Focas com o objetivo de ser um espaço para debate, aprofundamento e divulgação de novidades dentro da área do jornalismo. Os textos aqui publicados são de responsabilidade dos seus respectivos autores.
- Advertisement -spot_img
Siga-nos
17,706FãsCurtir
4,420SeguidoresSeguir
2,532SeguidoresSeguir
Mais vistas
- Advertisement -spot_img
Novidades
- Advertisement -spot_img

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui