InícioDebate FocaA faculdade acabou e agora?

A faculdade acabou e agora?

- Advertisement -spot_img
Não podemos desistir diante das dificuldades pós-faculdade. Enquanto houver histórias para serem contadas, enquanto existir pessoas para serem informadas a nossa profissão não entrará em extinção. Foto: Pixabay
Não podemos desistir diante das dificuldades pós-faculdade. Enquanto houver histórias para serem contadas, enquanto existir pessoas para serem informadas a nossa profissão não entrará em extinção. Foto: Pixabay

Não preciso ser uma expert em números, nem mesmo uma bruxa para saber que muitas e muitas pessoas terminam a faculdade e ficam com uma pergunta assombrando suas mentes: “E agora?”. Bem, agora é vida que segue.

É claro que essa frase é muito mais fácil falando do que fazendo. A prática é sempre mais difícil que a teoria. Quem termina a faculdade empregado, tem com certeza, meio caminho andado. Para aqueles que fizeram algum estágio durante o curso e conseguiram obter alguma experiência, mais algumas chances. Para aqueles que possuem idiomas é uma vantagem. Porém, para aqueles que terminam desempregados, sem ter feito estágio, sem ter um idioma estrangeiro e sem nenhum curso adicional, esses podem começar a rezar.

Não sou RH e acho que nem é necessário, pois todos estão vendo o quanto o mercado no geral está difícil. Para os jornalistas recém formados mais ainda. Fico incomodada, para não dizer apavorada com o tanto de requisitos que as vagas exigem. Ter uma formação superior e uma diploma na mão é somente o arroz com feijão. Se quiser uma boa alimentação, será necessário ter idiomas, cursos de aperfeiçoamento e principalmente (esse mais preocupante), experiência na área. Opa, pera aí!

Eu disse experiência na área? Sim. Estou falando de recém formados? Sim. Parece que existe um problema aqui: recém formado + experiência no mercado, ao meu ver, são palavras completamente antônimas. Contraditórias. Distantes. Por mais que o aluno tenha feita alguns estágios é (humanamente) impossível ele ter experiência em tudo. Se estamos justamente acabando de nos formar e queremos entrar no mercado de trabalho, como ter toda essa experiência que eles pedem? Como ter experiência se ninguém dá uma primeira chance? Como fazer um curso de aperfeiçoamento sem ter dinheiro? Como ter dinheiro sem trabalho? Percebem o círculo vicioso?

Infelizmente são mais perguntas que o lead de uma matéria qualquer possa ter e que ainda não consegui obter a resposta.

Esse texto é antes de mais nada um alerta aos estudantes de jornalismo. Nossas queridos focas. Cuidado! O mercado aqui fora está uma selva. As exigências são muitas e as vagas são poucas. Estou dizendo que é impossível conseguir emprego em comunicação? Não. Estou dizendo que é necessário se preparar. E não me refiro só à graduação, mas cursos de diagramação, edição de áudio e vídeo, idiomas e estágios. Façam quantos estágios puderem nas áreas que aparecem, mas façam. Não importa se o salário é pequeno, mas podem ter certeza que esse pouco hoje fará diferença amanhã.

No começo do texto eu disse: Acabou a faculdade agora é vida que segue. E digo seguir no sentido de não desistir quando se depararem com as dificuldades (que serão muitas). Abusem e usem do networking. Não tenham receio de adicionar profissionais da área, mostrarem seus trabalhos, pedir emprego. O mundo é de quem tem coragem e se resolveu fazer jornalismo é para contar/ouvir/repassar as histórias de alguém, não é? Enquanto existirem histórias para serem contadas, enquanto existirem pessoas para serem informadas a nossa profissão não entrará em extinção.

O que eu estou fazendo além de escrever esse texto e resmungar? Agindo. Ninguém disse que seria certo, e ficar sentada, reclamando, não vai fazer um emprego bater na porta ou cair do céu. Já ativei o networking, adicionei pessoas, entrei em vários grupos de vagas de emprego, assinei outro site de vagas e vou investir as minhas últimas fichas (dinheiro) em mais conhecimento. Um novo curso. O MTB de jornalista, dois anos de estágio em web rádio, mais o curso de locução não são necessariamente garantias de emprego. Mas, é necessário tentar. Afinal, quem tem um sonho não cansa. Bete Balanço, por favor!

Por Regine Luise.

Perfil de Regine Luise

Regine Luise

Ama, doa, sonha, dramatiza, sorri, chora e escreve. Não necessariamente nessa ordem. Jornalista por profissão, poeta de coração. Prazer, Regine Luise.

Contato: [email protected]

- Advertisement -spot_img
- Advertisement -spot_img
Siga-nos
17,706FãsCurtir
4,420SeguidoresSeguir
2,532SeguidoresSeguir
Mais vistas
- Advertisement -spot_img
Novidades
- Advertisement -spot_img

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui