InícioBiblioteca FocaA Revolução dos Bichos, de George Orwell - Resenha

A Revolução dos Bichos, de George Orwell – Resenha

O jornalista e escritor inglês, Eric Arthur Blair, mais conhecido pelo seu pseudônimo George Orwell, é autor de várias obras célebres. As mais conhecidas são: “A Revolução dos Bichos” e “1984”. Trataremos neste post do livro “A Revolução dos Bichos”, deixando o “1984” para ser tratado em um outro momento.

Criação da obra

O enredo de “A Revolução dos Bichos” começou a ser escrito no final do ano de 1943, apesar do autor já o ter concebido, pelo menos em sua ideia central no ano de 1937.

A-Revolução-dos-Bichos

Comentando a obra, George Orwell explica que a fábula corresponde aos fatos ocorridos na Rússia soviética e faz referência aos seus dois ditadores. “Pensei em denunciar o mito soviético numa história que fosse fácil de compreender por qualquer pessoa e fácil de traduzir para outras línguas. (…) Decidi analisar a teoria de Marx do ponto de vista dos animais. Para eles, claro, o conceito de luta de classes entre os seres humanos era pura ilusão, pois sempre que fosse necessário explorar os animais os seres humanos se uniam contra eles: a verdadeira luta se dava entre os bichos e as pessoas.”

Orwell explica também que “embora seus vários episódios tenham sido tirados da história real da Revolução Russa, foram tratados de maneira esquemática, e sua ordem cronológica foi alterada. No final acrescentei alguns acontecimentos, como a Conferência de Teerã, que ocorria no momento em que eu escrevia”.

Personagens

Diversos personagens do regime soviético são representados na obra. Os cavalos Sansão e Quitéria representam o proletariado. As ovelhas, as vacas, as galinhas e outras forças do pasto e do quintal representam os elementos disparatados do campo e da classe média. A égua branca Mimosa representa um tipo de pequeno-burguês (alvo dos mimos do senhor Jones). Junto dela, o Corvo Moisés (ave de grande eloquência e vocação de pregador que fala de um mundo além do céu) permanece indiferente ao que acontece na fazenda. A ave acaba tendo permissão para retornar à fazenda, assim como Stalin permitiu a volta da atividade da Igreja Ortodoxa russa durante a segunda guerra mundial. O porco Napoleão representa Stalin e Bola-de-Enredonta Trotski.

George Orwell
George Orwell

Breve resumo

Tudo se passa na granja do Sr. Jones, onde os animais, cansados de serem explorados pelos humanos, se organizam sob a liderança do porco Major e expulsam o proprietário da granja.

Por serem considerados os mais inteligentes, os porcos se tornam os líderes da granja. Adota-se o Animismo, doutrina na qual todos os animais são iguais entre si, porém, “uns são mais iguais que outros”. Além disso, são estabelecidos Sete mandamentos que visam distinguir os humanos dos animais:

1 – Qualquer coisa que ande sobre duas pernas é inimigo.
2 – Qualquer coisa que ande sobre quatro patas, ou tenha asas, é amigo.
3 – Nenhum animal usará roupas.
4 – Nenhum animal dormirá em cama.
5 – Nenhum animal beberá álcool.
6 – Nenhum animal matará outro animal.
7 – Todos os animais são iguais

E para os animais menos inteligentes, os mandamentos foram reduzidos à máxima: “Quatro pernas bom, duas pernas ruim”.

Aos poucos os mandamentos começaram a atrapalhar o governo dos porcos, e por este motivo foram sendo modificados. Inclusive a máxima é alterada para: “Quatro pernas bom, duas pernas melhor!”. Por fim, os porcos acabam se tornando verdadeiros ditadores e agem como os humanos, inclusive se unindo a eles.

“Muitos leitores podem acabar de ler o livro com a impressão de que ele termina com uma reconciliação total entre os porcos e os seres humanos. Minha intenção não foi essa; ao contrário, eu desejava que o livro terminasse com uma nota enfática de discórdia, pois escrevi o fim imediatamente depois da Conferência de Teerã, que todos julgaram ter estabelecido as melhores relações possíveis entre a URSS e o Ocidente. Pessoalmente, jamais acreditei que essas relações pudessem durar; e, como os fatos demonstraram, não estava muito enganado”, declarou George Orwell no prefácio de sua obra em edição ucraniana (1947).

Por Emílio Portugal Coutinho

- Advertisement -
Emílio Coutinho
O jornalista e professor Emílio Coutinho criou a Casa dos Focas com o objetivo de ser um espaço para debate e divulgação de novidades no jornalismo.
- Advertisement -
Siga-nos
17,611FãsCurtir
5,911SeguidoresSeguir
2,557SeguidoresSeguir
Leia também
- Advertisement -
Novidades
- Advertisement -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui