Esqueci, e agora?

1
52

Não é a primeira vez (e nem será a última), que um repórter entra ao vivo em link e esquece o texto como aconteceu com a nossa colega Liliana Junger, da Rede Globo, nesta última segunda-feira, 9 de setembro (assista aqui).

A jornalista em questão entrou de Brasília no Jornal Hoje e não sabia o que falar, se perdeu no texto. Da bancada do jornal, o Evaristo tentou contornar a situação, mas o erro não foi encoberto e no mesmo dia foi para o Top Five do CQC.

Muitos deram risada, falaram que ela não deveria estar lá, mas eu não a recrimino, muito pelo contrário, quero prestar o meu apoio, afinal de contas experiências como essas nos ajudam a perceber o que podemos melhorar no nosso trabalho no difícil dia-a-dia de um repórter.

Desatenção? Desconcentração? Mal preparo? Imaturidade para entrar no ar ao vivo? Não sei qual seria a razão para o ato falho, mas todos nós jornalistas temos que ter consciência de que estamos propícios a esquecer, ou travar diante das câmeras.

O texto na televisão segue um script ou um texto pronto no estúdio. Já na rua, muda a forma de se comunicar. Normalmente, o repórter será responsável por trazer a notícia com o texto próprio. A Zileide Silva (dentro de um estúdio com todos os recursos a sua frente) apresentando o Jornal Hoje ficou perdida, depois de o teleprompter travar e acabou se perdendo em sua lauda (assista aqui). No meu caso, como experiência própria, já troquei nome de entrevistado e esqueci o que ia falar.

Para evitar que problemas como esse ocorram tomei algumas precauções, que listo aqui afim de ajudar os que tem essa árdua tarefa de apurar, escrever e divulgar notícias através de meios televisivos.

1º – É primordial, principalmente para o repórter que entrará no ar ao vivo, entender o que irá falar;

2º – Se estiver inseguro, relaxe, toma uma água, esqueça o que acontece ao seu redor ou as pessoas que estão a sua volta te olhando. Pois o telespectador percebe quando o jornalista não sabe o que fazer e falar diante das câmeras;

3º – Anote em tópicos o que pretende falar na lauda que está segurando, isso te ajudará a ter as informações essenciais na hora de entrar no ar e te salvará caso tenha um lapso de memória;

4º – A televisão exige que em situações como essa de link,  você seja objetivo e vá direto ao ponto, com frases precisas e que deem sentido a informação. Se afobar ou ficar nervoso além de te atrapalhar e não irá ajudar em nada. Vá ao início da informação com calma e explique ao seu telespectador a notícia, como se estivesse na sua sala batendo um bom papo entre velhos amigos.

5º – Lembre-se: errar faz parte e reconhecer o erro te ajuda crescer. Todos um dia passaremos por situações difíceis, ainda mais no jornal ao vivo. Concluo com uma frase dita por um dos âncoras mais conhecidos do Brasil: Boris Casoy, que depois de espirrar no meio da apresentação ao vivo do Jornal da Noite, da TV Bandeirantes disse: “Desculpe, espirrei, ainda sou um ser humano” (assista aqui).

Por Luiz Felipe Duarte Veloso.

Leia também:

– O que fazem os apresentadores entre uma matéria e outra?

– Lugar de repórter é na rua!

– Cursos de jornalismo são avaliados pelos alunos (Parte 1)

Perfil de Luiz Felipe Duarte Veloso

Luiz Felipe Duarte Veloso
Luiz Felipe tem 20 anos e cursa o quarto semestre de Jornalismo na FIAM/FAAM na cidade de São Paulo, gosta de ler bons livros, frequentar o cinema, teatro e shows de MPB. Há um ano trabalha na área de jornalismo televisivo.

1 COMENTÁRIO

  1. TO RINDO MTO COM O ESPIRRO ‘KKKKKKKKKKKKKKKKKKK. SOBRE OS DEMAIS ERROS, NO JORNAL NA GLOBO PERCEBE-SE O NERVOSISMO DA APRESENTADORA E A FORÇA QUE ELA TA FAZENDO AO TENTAR SER VERDADEIRA COM ESSES SORRISOS QUE ELA TENTA DAR. A DA REPÓRTER NO LINK COITADA. JAMAIS DEVEMOS RECRIMINAR JÁ QUE PODE ACONTECER COM QUALQUER UM, INFELIZMENTE UNS PRECISAM PASSAR POR ISSO PARA QUE OUTROS NÃO CORRAM O MESMO RISCO.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui