InícioDebate FocaLeia antes de falar ou pensar mal de jornalistas

Leia antes de falar ou pensar mal de jornalistas

Jornalista máquina de escrever

Quando falamos que somos jornalistas, muita gente acha a coisa mais simples do mundo. “Ah, você escreve”, como se todo aquele que sabe ler e escrever pudesse ser um repórter (por acaso todo aquele que sabe fazer conta pode ser um matemático?). “Ah, nem precisa de diploma, né?”, como se os anos de estudo e dedicação que você passou na faculdade, em cursos e afins, fossem desprezíveis. “Ah, você tem um blog“, como se você fosse só mais um a criar uma página na internet e esteja brincando de ser repórter.

Não, queridos, não é assim. Não saímos publicando coisas aleatoriamente. Apuramos e informamos. Não pegamos as informações e publicamos de qualquer maneira. Primeiro pesquisamos, contextualizamos assuntos, cruzamos informações e ouvimos pessoas.

E se você aperta o sujeito entrevistado em algumas perguntas, não é que você tenha segundas intenções ou seja tendencioso (no caso dos éticos, claro), apenas está cumprindo seu dever de apurar com excelência. Um jornalista deve sempre buscar o máximo de informações para seu entendimento do assunto, independentemente do quanto irá utilizar em sua matéria (e se você deu uma entrevista longa e a matéria publicada foi pequena, a probabilidade de o jornalista ter trabalhado duro para conseguir selecionar os pontos chave é muito grande).

E quando escrevemos uma reportagem, desde a construção do lead (se você não sabe o que é e fala mal de jornalista, vá pesquisar) ao último ponto final do texto, você está pensando em inúmeras coisas além do que foi apurado, como qual o público que vai ler, que dúvidas ele pode ter, qual o veículo para o qual você está escrevendo, se há cunho factual, se os dois “lados da moeda” estão no texto ou porque um dos lados não está. E nesse balaio de gato, para cada escolha, você também se lembra do que aprendeu com professores, editores, chefes de reportagens e nos livros.

E tem mais: jornalista não dá opinião. Ele pode ser um comentarista se dominar um assunto X (o que ocorre por estudo ou experiência extra à do ofício de jornalista, assim como com outros profissionais – médicos, economistas, cientistas políticos, historiadores, etc).

E se a imprensa é tendenciosa, reflita se a empresa para a qual você trabalha não é também. A resposta será sim. E isso significa que você não está sendo bom profissional e concorda com ela? Como em toda profissão, existem bons e maus. Não ache que você sabe como são todos os jornalistas.

Por Deisy de Assis

Perfil da Autora

Foto: Guilherme Kastner.
Foto: Guilherme Kastner.

Deisy de Assis formou-se em 2009 em Comunicação Social – Habilitação em Jornalismo na Universidade São Judas Tadeu (USJT). Começou atuar como repórter durante seu estágio na empresa Folie Comunicação, onde permaneceu de por três anos e escreveu para veículos institucionais (Jornal São Judas e Expresso PwC), além de contribuir com trabalhos de comunicação interna.

Em 2010 ingressou como repórter da editoria de Cidade do jornal Guarulhos Hoje. No ano seguinte chegou à redação dos jornais Folha Metropolitana e Metrô News, onde permaneceu até 2015 como repórter de Cidade. Neste período, manteve ainda a página “Pets & Patas”, focada em reportagens sobre guarda responsável de cães e gatos, que rendeu uma premiação com o Selo Ambiental 2012, promovido pela Prefeitura de Guarulhos.

Atualmente, Deisy de Assis é redatora no portal FecomercioSP e mantém um blog com reportagens sobre dança árabe.

- Advertisement -
- Advertisement -
Siga-nos
17,671FãsCurtir
4,589SeguidoresSeguir
2,537SeguidoresSeguir
Leia também
- Advertisement -
Novidades
- Advertisement -

1 COMENTÁRIO

  1. (…) “Não, queridos, não é assim. Não saímos publicando coisas aleatoriamente. Apuramos e informamos. Não pegamos as informações e publicamos de qualquer maneira. Primeiro pesquisamos, contextualizamos assuntos, cruzamos informações e ouvimos pessoas”.(…) De fato, é exatamente isto que aprendemos nas faculdades de Comunicação e Jornalismo, e DEVERIA SER ASSIM, mas na maioria das vezes não condiz com a verdade. Tenho vários exemplos do péssimo jornalismo que ora é feito pelas grandes empresas de comunicação, que me fizeram rasgar o diploma e desistir da carreira.

Deixe um comentário para Carlos Medeiros Cancelar resposta

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui