InícioReflexõesObrigado, jornalismo!

Obrigado, jornalismo!

- Advertisement -spot_img

Jornal

Assim como toda criança eu já sonhei em ser jogador de futebol. No entanto, o mundo da bola não me aceitou, talvez por não ter alegria nas pernas de um camisa 10, não sei. Tentei então o gol, deu certo até os 12 anos, de lá para cá, larguei a carreira de boleiro, pendurei minhas chuteiras precocemente. O sonho de vestir a camisa da lusa então chegara ao fim.

Sem o futebol, decidi então que era hora de estudar e ser um grande empresário, só assim para buscar a minha felicidade em carros, casas e todos esses luxos. O sonho seguiu até o meu primeiro vestibular, lá em 2010. Não passei, mudei a escolha. Na época o vídeo game era algo corriqueiramente presente em minha vida, logo, vou estudar isso e desenvolver os meus jogos. Fiz vestibular e, novamente não entrei – felizmente.

Após três tentativas frustradas acabei deixando de lado o sonho de fazer faculdade, talvez não fosse hora para isso. Meus pais me incentivaram a buscar uma nova carreira, mesmo que demorasse um pouco mais do que o esperado. Lá para 2012 surgiu a oportunidade de conviver mais com o jornalismo, mas relutei, ora, nunca gostei de ler tampouco escrever, não daria certo. Meses depois vi uma pequena entrevista que havia feito em um sábado ensolarado no Canindé ser publicada na Globo.com. Essa foi a minha primeira vitória na profissão que eu começava a escolher.

A escolha pelo curso acadêmico não demorou a acontecer, tempos depois daquela entrevista eu já havia me matriculado na faculdade. Foi aí que minha vida mudou. Mais do que aprender o que é lead, pirâmide invertida ou como produzir uma pauta, a vida de universitário me fez enxergar o mundo de outra forma. Troquei o sonho do sucesso financeiro para ser feliz e ponto.

Junto com a faculdade, em especial o jornalismo, passei a ser independente socialmente. Terminei meu namoro, fiz novos amigos, e também amores, passei a ver outro lado da São Paulo em que eu vivo, agora presto muito mais atenção no mundo ao meu redor. Deixei de explorar apenas o Tatuapé e fui desbravar os cantos da cidade. Se antes eu dependia de alguém para ir aos lugares, agora vou sozinho mesmo, sem medo, pois sou jornalista e preciso correr atrás das minha matérias.

Mas e para a profissão, o que esses dez meses de aula influenciaram profissionalmente, ora, em tudo. O jornalismo precisa ser mais do que a redação. Matérias são feitas na rua e não em redações, saber aonde ir, como se portar e com quem falar só se aprende vivendo, seja no teatro, ou em uma mesa qualquer de bar espalhada pelo centro da cidade.

Graças ao jornalismo eu tive a oportunidade de subir ao gramado do Canindé para um dia de treino, não para melhorar meu esquema de jogo, mas sim para entrevistar. A faculdade me levou para lugares nunca antes explorados e me fez entender um pouco mais sobre a carreira que escolhi. Carreira essa, que acaba de me presentear com o primeiro processo em minha vida, se incomodei é por que, talvez, eu tenha feito direito.

Ainda não me vejo como um repórter, muito menos apresentador, redator ou editor. Não sei nem se levo jeito para coisa, mas não vou desistir, por que no fundo, eu gosto de ser jornalista.

Por Felipe Higino

Perfil do autor

Felipe Higino

Tenho 21 anos, estou estudando jornalismo na FIAM-FAAM, trabalho de repórter por hobby no Lusa News e sou desses que acredita que o jornalismo pode ser feito em uma mesa de bar.

- Advertisement -spot_img
- Advertisement -spot_img
Siga-nos
17,706FãsCurtir
4,420SeguidoresSeguir
2,532SeguidoresSeguir
Mais vistas
- Advertisement -spot_img
Novidades
- Advertisement -spot_img

3 COMENTÁRIOS

  1. Orgulho de poder aprender com o Felipe. Nas experiências do jornalismo em dois semestres,nós superamos as espectativas de qualquer professor e “zeramos” o curso de jornalismo da FIAM-FAAM. sua dedicação me faz cada vez mais querer estar e trabalhar com você. o texto é simplesmente incrivel e descreve uma parte da minha vida. As desistências só nos fizeram bem e hoje, acredito que não exista profissão em que eu me encaixe que não seja o Jornalismo. Nascemos com o dom do Jornalismo e vamos usa-lo até o fim da vida.

  2. Parte do seu texto também faz parte do que passei. Ainda nesta parte final “Ainda não me vejo como um repórter, muito menos apresentador, redator ou editor. Não sei nem se levo jeito para coisa, mas não vou desistir, por que no fundo, eu gosto de ser jornalista.”
    Penso o mesmo sobre a minha pessoa, mas também não vou desistir. Acho que vou me surpreender.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui