Zuenir Ventura e Fernando Veríssimo participam de debate em São Paulo

0
23

Na última terça-feira, 19 de novembro, os escritores Luís Fernando Veríssimo e Zuenir Ventura se reuniram no Sesc Vila Mariana (São Paulo), para debater sobre o tema “Tempo, Amizade e Literatura”.

O público lotou o auditório, fazendo com que fosse instalado um telão do lado de fora para que os presentes pudessem acompanhar o debate.

Sob a mediação de Afonso Borges, idealizador do “Sempre Um Papo“, evento que tem por objetivo incentivar o hábito da leitura a fim de formar cidadãos mais críticos, os escritores responderam uma série de perguntas feitas pelo público.

Questionado sobre o fim do jornal impresso, Zuenir Ventura afirmou que acredita na convivência do meio impresso com o digital. “Em primeiro lugar, todos que disseram que o jornal ia acabar, acabaram antes. Sempre que surge uma tecnologia nova, sempre há um pânico de que a anterior vai acabar. Mas eu acho que na verdade o jornalismo tem que se adaptar. Essa mudança está exigindo dos jornais uma adaptação, um aperfeiçoamento.”

Já Luís Fernando Veríssimo defende que uma das forças que mantêm o jornal impresso vivo é a sensualidade própria do papel. “O contato que a gente tem com o jornal tem uma certa sensualidade que a tela do computador não tem, e isso vai permanecer sempre, esse prazer de manusear um jornal.”

Zuenir Ventura, Afonso Borges e Luis Fernando Verissimo. Foto: Emílio Coutinho
Zuenir Ventura, Afonso Borges e Luis Fernando Veríssimo responderam perguntas do público presente. Foto: Emílio Coutinho

Veríssimo falou ainda que sua principal fonte de informação continua sendo o jornal impresso e que não aderiu às novas tecnologias. “Não tenho nem telefone celular.”

Sobre a polêmica das biografias não autorizadas, Zuenir Ventura ressaltou que o caso pode cair em uma censura prévia que se estenderá ao jornalismo. “Você terá que submeter a sua entrevista ao entrevistado. Eu acho um absurdo isso.”

Para Veríssimo, os dois lados tem razão, apesar de manifestar ser contra qualquer tipo de censura, sobretudo a prévia.

Fotos e texto por Emílio Portugal Coutinho.

Leia também:

– “O jornal de papel não vai acabar nunca”, afirma Xico Sá

– Quais são os melhores cursos de jornalismo do Brasil?

– Livros que podem apurar sua visão jornalística

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui