InícioMestres ensinamO que os jornalistas não devem esquecer

O que os jornalistas não devem esquecer

Redação do "New York Times" em 1942. Foto: Pixabay
Redação do “New York Times” em 1942. Foto: Pixabay

Nunca podemos esquecer que:

1 – Somos contadores de histórias.

2 – Toda história tem um “quem”, um “quando”, um “como”, um “onde”, um “o que” e um “por que”. Se você não tem respostas para essas perguntas você não tem história.

3 – A pauta é um plano de trabalho, o roteiro do filme que você tem na cabeça. Se você não estiver apaixonado pela sua pauta, sua pauta não é boa.

4 – O texto tem que ter um início cativante, emocionante. Procure começar sempre com o “que”, o “como”, o “quando”, o “por que”, o “onde”. Evite começar com o “quem”, a não ser que esse “quem” seja um nome muitíssimo conhecido. “Jogando assim, o Corinthians vai pra segunda divisão”. A declaração é do professor Edgard durante entrevista… É mais forte que “O professor Edgard diz que jogando assim o Corinthians vai pra segunda divisão”. Com aspas ou sem aspas, tanto faz. Lembre-se que, se o começo do texto não estiver bom, o “resto” dificilmente estará.

5 – Faça frases curtas. Emocione-se para emocionar.

6 – Treinar é o melhor caminho para aprender. Treine. E lembre-se: eu não estou aqui para competir com você; já fiz tudo o que alguém poderia ter feito em jornalismo e só estou aqui para ajudar. Em caso de emergência, aperte o botão vermelho.

Por Professor Edgar de Oliveira Barros

Perfil de Edgar de Oliveira Barros

Edgar de Oliveira Barros

O professor Edgard de Oliveira Barros está há 40 anos no jornalismo, tendo iniciado sua carreira na redação dos Diários e Emissoras Associadas, a maior cadeia de jornais, emissoras de rádio e de televisão que o Brasil já teve.

É bacharel em Direito pela Universidade Mackenzie, foi repórter de jornais Associados, tendo trabalhado também nas extintas rádio Difusora e TV Tupi. No meio do caminho teve a Propaganda e Edgard trabalhou na MPM Propaganda, para depois fundar a sua própria empresa de publicidade, através da qual ganhou vários prêmios.

Durante 10 anos foi diretor de redação do extinto Diário Popular. Deixando o Diário Popular começou a dar aulas na FACOM/UniFIAM no ano de 1986.

Criou o jornal Imprensa Livre na cidade de Atibaia, com circulação regional. Semanário, o jornal passou a diário tendo inclusive implantado seu próprio parque gráfico com modernas rotativas. Trabalhava no mínimo 18 horas por dia e todos os dias. Cansou.

E faltou dinheiro. Parou o jornal e voltou a dar aulas, sua paixão, na FIAM. Publicou três livros de crônicas e um livro-manual de Jornalismo dedicado aos alunos da escola: Quem? Quando? Como? Onde? O quê? Por quê?.

- Advertisement -
Emílio Coutinho
O jornalista e professor Emílio Coutinho criou a Casa dos Focas com o objetivo de ser um espaço para debate e divulgação de novidades no jornalismo.
- Advertisement -
Siga-nos
17,671FãsCurtir
4,589SeguidoresSeguir
2,537SeguidoresSeguir
Leia também
- Advertisement -
Novidades
- Advertisement -

2 COMENTÁRIOS

  1. Emilio Coutinho, você me comove. Obrigado por tantas lembranças, tantas menções do meu nome, tanto carinho, tanta atenção. Juro que fico até sem graça, mas, vai ver, aí é que está a graça, ficar sem graça por ser citado, ficar sem graça por ser lembrado, ficar sem graça por estar por aí na cabeça de algumas pessoas importantes e dedicadas como você. Eu tenho como base um samba, o samba que Sergio Bittencourt fez que tinha estes versos: “meu samba, para ser um samba certo, vai ter que nascer liberto e morar no assobio, do ocupado e do vadio. Ai que bom se eu ouvisse o meu samba por aí…” Pois é, toda hora o Emilio Coutinho coloca o meu samba por aí. Não é lindo isso? Muito obrigado. Beijão no paisão. Saudade.

    • Professor! Quem fica sem palavras sou eu, diante de tamanha consideração e respeito que tens por mim. Fico profundamente lisonjeado e feliz em manter o contato com um mestre tão inspirador e experiente. Você sempre esteve no hall dos meus modelos na profissão e um dia quero conseguir escrever tão bem quanto você. Muito obrigado pelo incentivo de sempre e pela amizade que pulou os muros da academia e se mantêm ainda mais firme aqui fora. Sucesso! OBS: A Casa dos Focas continua sendo a sua casa e neste espaço você poderá sempre divulgar seus textos sobre jornalismo que tanto nos ensinam e inspiram. Até mais! Emílio Coutinho

Deixe um comentário para Edgard de Oliveira Barros Cancelar resposta

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui